COMO MONTAR CLÍNICA

CRIAR O PLANO DE NEGÓCIOS DO SEU CONSULTÓRIO MÉDICO

 

Atender seus pacientes em seu próprio local de trabalho é o verdadeiro começo da carreira para muitos profissionais de saúde.

É o começo da construção de uma reputação como especialista e uma imagem de excelência.

Como em qualquer área, alguns levam mais tempo que outros para atingir o sucesso – não é diferente com o médico que deseja montar seu consultório.

Um consultório deve ser visto uma empresa, uma organização.

Existem obrigações trabalhistas envolvidas, planejamento e operações financeiras e jurídicas, entre outras tarefas que exigem conhecimento e habilidades além da Medicina.

O primeiro passo para o médico que quer montar seu consultório é, sem dúvida, entender todos os fatores envolvidos nesta decisão.

Plano de Negócios é uma metodologia de planejamento que vai ajudá-lo a não deixar escapar nenhuma decisão importante referente ao seu novo empreendimento – no caso, sua clínica.

1.   Análise de mercado

As clínicas atuam nas mais diversas atividades. Em relação aos pequenos empreendimentos é notável a especialização, isto é, o atendimento em apenas uma ou algumas áreas relacionadas da medicina. É um campo fértil para profissionais recentemente formados que, apesar de entenderem a saúde como atribuição do Estado, não querem passar toda sua carreira como servidores públicos com perspectivas de crescimento reduzidas. Da mesma forma, os profissionais mais reconhecidos nas suas especialidades, conseguem melhor renda quando trabalham como empreendedores nas suas próprias clínicas.

Sendo assim, as clínicas de saúde tem a oportunidade de entrar neste mercado de forma diferenciada, oferecendo atendimento personalizado, com facilidades de pagamento, localização estratégica e agilidade no atendimento. O atendimento médico geralmente apresenta maior qualidade, tendo em vista a demanda de clientes particulares, além do atendimento por meio dos convênios com os planos de saúde.

 

2.   Localização

Dentre todos os aspectos importantes para a escolha do ponto, deve-se considerar prioritariamente a densidade populacional, o perfil dos consumidores locais, a concorrência, os fatores de acesso e locomoção, a visibilidade, a proximidade com os clientes, a segurança e a limpeza do local.

 

O imóvel deve ter boa aparência e o tamanho deve variar segundo as especialidades disponibilizadas. Normalmente é benéfico ficar perto de outras clínicas e hospitais de maior porte para complementar seus serviços e atender clientes de outras especialidades.

 

3.   Plano de marketing e comunicação

A divulgação é um componente fundamental para o sucesso de uma clínica de saúde.

As campanhas publicitárias devem ser adequadas ao orçamento da empresa, à sua região de abrangência e às peculiaridades do local. Abaixo, sugerem-se algumas ações mercadológicas acessíveis e eficientes:
– Confeccionar folders e flyers para a distribuição em empresas, academias, hospitais e residências;
– Anunciar em jornais de bairro e revistas;
– Montar um website com a oferta de serviços.
– Envio de email marketing mensais para pacientes sobre os produtos oferecidos ou campanhas eventuais.

O empreendedor deve sempre entregar o que foi prometido e, quando puder, superar as expectativas do cliente. Ao final, a melhor propaganda será feita pelos clientes satisfeitos e bem atendidos.

4. Automação

A maioria das clínicas tem processos semi-automatizados, já que os serviços de saúde são administrados pessoalmente por um profissional especializado.

O registro, admissão e acompanhamento são feitos através de sistemas computadorizados que permitem a manutenção de uma ficha médica (prontuário médico) com todos os dados da evolução do cliente.
Exames específicos normalmente têm uma fase automatizada com o uso de máquinas e equipamentos de tecnologia de ponta.

Essencialmente, os serviços de saúde têm o componente da interação humana entre paciente e profissional de saúde que é insubstituível e não pode ser automatizado. Desta forma, a automação deve se restringir aos processos de apoio, administrativos e a alguns exames complexos.

Antes de se decidir pelo sistema a ser utilizado, o empreendedor deve avaliar o valor cobrado para adquirir o sistema, implantação e da manutenção mensal, a facilidade de suporte e as atualizações oferecidas pelo fornecedor. É necessário que o sistema apresente alguns controles essenciais para realização de uma boa gestão deste tipo de negócio tais como:
– Controle dos dados sobre faturamento/vendas
– Fluxo de caixa;
– Controle de contas a pagar e a receber e bancos (conta corrente);
– Controle de estoque;
– Agenda de consultas e exames;
– Registro de clientes;
– Prontuário médico eletrônico.

 

5. Investimentos

 

Os investimentos em uma clínica de saúde são categorizados conforme descrito abaixo:
– Em estrutura física (construção ou reforma de imóveis);
– Em equipamentos médico-hospitalares;
– Em estoques de material de consumo;
– Em móveis hospitalares e administrativos;
– Em equipamentos de informática;
– Em capital de giro.

Os investimentos acima, com exceção do capital de giro, geram uma depreciação e uma taxa de manutenção, agregando custos ao empreendimento para sua posterior reposição.

É extremamente importante o entendimento correto de todo o investimento do negócio para a sobrevivência da clínica.